Eu posso ter um enfarte?

Sim, qualquer pessoa em qualquer idade pode ter um enfarte

 

Por isso a identificação dos indivíduos assintomáticos mais predispostos a ter infarte é crucial para a prevenção efetiva com as corretas metas terapêuticas.

O que é o enfarte do miocárdio?

  • O infarte é a morte de uma área do coração. 
  • Isso ocorre quando o fluxo das artérias que irrigam o músculo cardíaco é interrompido prejudicando assim uma determinada área do coração que sem a oxigenação adequada, sofre alterações irreversíveis e morre.

Gravidade do enfarte

  • A gravidade do enfarte depende da extensão da área comprometida e também do local dessa lesão. Por exemplo se atingir a região responsável pelo ritmo cardíaco o paciente pode ter sérias complicações desse aspecto, se atingir uma válvula cardíaca o paciente pode ter uma falência grave com insuficiência cardíaca e assim por diante

Por que ocorre o infarte?

  • A interrupção do fluxo adequado para o músculo cardíaco pode ocorrer em consequência de:
  • espessamento da parede arterial pelo depósito de gordura
  • trombo que se desprende de uma placa de ateroma
  • espasmo arterial
  • arritmia cardíaca

Qual o risco que eu tenho de ter um enfarte?

  • O risco de se ter um enfarte está diretamente relacionado as seguintes fatores:
  • antecedentes pessoais e familiares que são imutáveis
  • idade que por si só vai aumentando o risco
  • controle inadequado das doenças cardiovasculares tais como diabetes, hipertensão, síndrome metabólica, dislipidemia e tempo de sua evolução
  • hábitos de vida ruins tais como tabagismo, sedentarismo, estresse e tempo em que a pessoa ficou exposta a eles

Meu risco é sempre o mesmo?

  • Não
  • Grande parte dos indivíduos que são considerados de baixo risco, ao longo da vida, tem seu risco aumentado portanto, esse cálculo precisa ser refeito periodicamente.

Como evitar o enfarte?

1º lugar

  • Consultar seu cardiologista periodicamente para:
  •  atualizar seu grau de risco cardiovascular
  • tratar as doenças cardiovasculares, tomando a medicação prescrita e só parar por recomendação médica porque essas doenças são crônicas e não são curadas, mas sim controladas.
  • fazer exames conforme orientação de seu médico para detectar alterações antes da doença aparecer, numa fase em que as lesões ateroscleróticas ainda são assintomáticas
  • Como evitar o enfarte?

2º lugar

  • Tratar e controlar adequadamente as doenças cardiovasculares. Não adianta apenas usar as medicações recomendadas, é preciso manter as doenças controladas. 
  • Fazer dieta adequada e atividade física regularmente, porque o uso de medicamentos não dispensa os bons hábitos
  • Não fumar
  • Controlar o estresse

A  principal causa de morte no Brasil e no mundo ainda é o infarte do miocárdio

  • Infarto agudo do miocárdio
  • Acidente vascular cerebral
  • Insuficiência cardíaca

Vale a pena investir em bons hábitos de vida, tratamento adequado das doenças cardiovasculares e visitas periódicas ao cardiologista.

Essa é uma doença que na maioria das vezes pode ser controlada ou prevenida.

 

 

 

 

 

 

Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nv-author-image

Prof. Dra. Marisa Amato

Especialista em Cardiologia pela Associação Médica Brasileira. Mestrado em Ciências, na área de Fisiologia Humana, pela Universidade de São Paulo,1982. Doutorado em Medicina pela Universidade de São Paulo,1988. Bolsista de pós doutorado do governo alemão pela Fundação Alexander von Humboldt, em Hamburg, 1992/1993. Professora Livre Docente de Cardiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 1998. Artigo Científico com repercussão internacional, publicado na Heart British Medical Journal, servindo de referência para o Consenso Europeu de Cardiopatias Valvares, 2001. MBA em Economia e Gestão em Saúde pela Escola Paulista de Medicina, da Universidade Federal de São Paulo,em 2005.Presidenta da Academia de Medicina de São Paulo, biênio 1997/1998. Membro do Conselho de Cultura da Associação Paulista de Medicina, biênio 1999/2002. Membro do Conselho de Economia, Sociologia e Política da Federação do Comércio do Estado de São Paulo do Sesc e do Senac, desde março de 2008.Presidenta do Clube Humboldt do Brasil, eleita em novembro de 2008. CRM: 30400 RTE 056950