fbpx Congressos Internacionais | Cardiologia.pro

Congressos Internacionais

 

 

 

 

Capítulo 15

Congressos Internacionais 

 

192 a 200. Presença em Congressos Internacionais – 201 a 208. Presença e apresentação de trabalhos

 

 

192 a 200. Presença em Congressos Internacionais

 

  1. Simpósio Internacional sobre Hipertensão arterial e suas complicações, promovido pelo Fundo de Aperfeiçoamento e Pesquisa da Sociedade Brasileira de Cardiologia, na Semana do Coração realizada em São Paulo, 7 e 8 de agosto de 1980. (Doc. 48)

 

  1. Simpósio Internacional Aterosclerose, é possível prevenir?, promovido pela Sociedade Paulista de Cardiologia, realizado em São Paulo, em 11 de março de 1989. (Doc. 128)

 

  1. Jornada  Internacional do Incor - Trombose, Trombólise e Infarto do Miocárdio, realizado em São Paulo, de 31 de março a 1 de abril de 1989. (Doc. 129)

 

  1. IX Congresso Internacional da Sociedade Brasileira de Cefaléia, de 31 de março a 1º de abril 1995. (Doc. 221)

 

  1. Kolloquium der Alexander Von Humboldt-Stiftung fur Humboldt-Gastwissenschaftler, realizado em Campinas, de 13 a 15 de outubro de 1995. (Doc. 228)

 

  1. 69th Scientific Sessions, patrocinado pela American Heart Association – Fighting Heart Disease and Stroke, em New Orleans, Louisiana, 10 a 13 de novembro de 1996. (Doc. 252)

 

  1. 1o Congresso Internacional da Sociedade Brasileira de Cardiologia,  em  Orlando,  Flórida,  8 de novembro de 1997. (Doc. 270)

 

  1. 70th Scientific Sessions, patrocinado pela American Heart Association – Fighting Heart Disease and Stroke, em Orlando, Flórida, 9 a 12 de novembro de 1997. (Doc. 270)

 

  1. XIII Congresso Mundial de Cardiologia, patrocinado pela International Society and Federation of Cardiology e organizado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, Rio de Janeiro, 26 a 30 de abril de 1998. (Doc. 298)

 

201 a 208. Presença e apresentação de trabalhos

201.    XVIII Congreso del Capítulo Latinoamericano, patrocinado pela International Society for Cardiovascular Surgery, realizado em Punta del Este, Uruguai, de 7 a 11 de dezembro de 1986. (Doc. 92)

Apresentação de Trabalhos

  1. Implante de prótese porcina. Experiência do Instituto do Coração. Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P., Amato, M.C.M.; Pomerantzeff, P.; Giacaglia, L.; Grinberg, M.; Bellotti, G.; Stolf, N.; Jatene, A.D.; Pileggi, F. (Doc. 92)

Resumo: No período de abril de 1982 a abril de 1986 foram implantadas 340 próteses porcinas em 312 pacientes sendo: 182 mitrais (54%). 147 aórticas (43%) e 11 tricúspides (3%); 28 (9%) pacientes realizaram dupla troca. A idade variou de 7 meses a 71 anos (x = 41) e 169 (54%) eram do sexo masculino. As lesões valvulares encontradas foram: estenose mitral 32 (9%), insuficiência mitral 58 (17%), dupla lesão mitral 48 (14%), disfunção de prótese mitral 44 (13%), estenose aórtica 37 (11%), insuficiência aórtica 44 (13%), dupla lesão aórtica 34 (10%), disfunção de prótese aórtica 32 (9%), insuficiência tricúspide 11 (3%). Endocardite infecciosa foi a indicação em 25 (8%) dos pacientes. 88 (28%) pacientes foram submetidos a procedimentos associados sendo: plástica ou comissurotomia mitral 16 (18%), plástica ou comissurotomia aórtica 6 (7%), De Vega 23 (26%), revascularização do miocárdio 18 (20%), correção de cardiopatia congênita 6 (7%), outros 19 (21%). A mortalidade hospitalar foi de 21 (7%) e a causa de óbito foi: sangramento 3 (14%), baixo débito 4 (19%), arritmia 1 (5%), coma 2 (10%), coagulopatia 2 (10%), morte súbita 3 (14%), mediastinite 2 (10%), outros 4 (19%). No pós-operatório imediato 84 (27%) pacientes apresentaram complicações como: sangramento 28 (33%); baixo débito 15 (18%); arritmia 10 (12%) e outros 31 (37%). 203 dos sobreviventes foram acompanhados por um período de 1 a 42 meses (x = 14). O estudo ecocardiográfico de 134 pacientes mostrou função ventricular diminuída em 29 (46%) dos mitrais e 9 (20%) dos aórticos, estando 118 (88%) próteses normo funcionantes e 16 (12%) insuficientes. Por ocasião da última consulta 195 (96%) estavam em Classe Funcional I e II, apesar de 10 (5%) estarem com a prótese insuficiente e 8 (4%) em Classe Funcional III.

 

  1. Análise das próteses mecânicas do Incor no período de 1979 a 1984, Abreu, M.C.; Pomerantzeff, P.M.; Amato, M.C.M.; Tarasoultch, F.; Grinberg, M.; Dias, A.; Stolf, N.; Mansur, A.; Verginelli, G.; Jatene, A.D. (Doc. 92)

Resumo: No período de 1979 a 1984 apenas 60 pacientes foram submetidos a implante de próteses mecânicas. Houve predominância do sexo masculino (63,3%), sendo a média de idade de 41,7 anos (variando entre 14 e 72 anos). Foram implantadas 58 próteses em posição aórtica e 2 em posição mitral. Entre os aórticos a principal indicação foi a disfunção em bioprótese de dura-máter (26 pacientes), seguindo-se estenose valvar calcificada (11 pacientes), dupla lesão aórtica (9 pacientes) e endocardite infecciosa aguda (3 pacientes). Nos 2 pacientes submetidos a troca de valva mitral a causa foi disfunção em bioprótese de dura-máter. As próteses utilizadas: Starr-Edwards (24 pacientes), Omnisciente (18 pacientes), Sorin (10 pacientes), Lilehey-Kaster (6 pacientes), Macchi-Jatene (1 pacientes), Hall-Kaster (1 pacientes). A mortalidade hospitalar foi de 8,33% e a tardia de 1,66%. Em nenhum dos casos a causa mortis estava relacionada com a prótese. O tempo médio de seguimento foi de 18 meses, e compareceram 44 pacientes ao ambulatório em Classe Funcional I e II (N.Y.H.A.). Consideramos os resultados satisfatórios quanto às complicações tromboembólicas (5,33%) e as complicações advindas do uso de anticoagulantes (3,33%). O objetivo deste trabalho é demonstrar a experiência na nossa Instituição com o uso de próteses mecânicas, analisando as principais complicações imediatas a tardias, e os critérios de indicação das substituições valvares, num grupo de alto risco cirúrgico (81,66 entre Classe Funcional III e IV).

 

  1. Estudo ecocardiográfico - Doppler de próteses metálicas em posição aórtica sem disfunção clínica, Lages, F.A.R.; Amato, M.C.M.; Azevedo, J.G.; Grinberg, M.; Bellotti, G.; Moraes, A.V.; Pileggi, F. (Doc. 92)

Resumo: Os autores realizaram a Correlação entre Ecocardiografia - Doppler (ED) e os dados clínicos em 15 pacientes (pc) portadores de prótese metálica em posição aórtica (9 com prótese de Starr-Edwards de bola e 6 com prótese de disco piovetante). O tempo pós-operatório variou de 3 meses a 20 anos. Do ponto de vista clínico mostrou sopro sistólico ejetivo em 9 e os ruídos normais das próteses. Não houve evidência de disfunção em nenhum dos casos. A ED apresenta como sinais de insuficiência de prótese fluxo diastólico (FD) turbulento na via de saída do VE e FD positivo na aorta descendente. Três pacientes (20%) apresentaram anormalidades à ED: 1 com movimento anormal do elemento móvel da prótese ao eco unidimensional e FD na via de saída do VE e FD positivo na aorta; 1 com FD na via de saída do VE. Este último apresentava ainda importante dilatação da crossa e aorta ascendente. Em vista destes resultados, embora com número pequeno de casos, os autores concluem que a análise da insuficiência das próteses metálicas pela ED, deva ser realizada com criteriosa Correlação com dados clínicos.

 

  1. Bioprótese de pericárdio bovino (BPB), Pomerantzeff, P.M.; Amato, M.C.M.; Fiorelli, M.; Stolf, N.; Dias, A.R.; Auler Jr., J.; Grinberg, M.; Bellotti, G.; Pileggi, F.; Verginelli, G.; Jatene, A.D. (Doc. 92)

Resumo: No período de janeiro de 1982 a dezembro de 1985, foram implantadas 500 BB: 277 em posição mitral, 211 em aórtica, 11 em tricúspide e 1 em pulmonar, sendo que na primeira fase (1982-1983) foi utilizada a BPB de alto perfil em 272 pacientes (304 biopróteses) e na segunda fase em 174 pacientes (196 biopróteses) de baixo perfil. A idade variou entre 9 e 78 anos (x = 42,5), sendo 280 (56%) do sexo masculino, 75 (15%) correspondiam a reoperação. As lesões valvulares encontradas foram estenose mitral 33 (6,68%), insuficiência mitral 43 (8,68%), dupla lesão mitral 88 (17,6%), disfunção de prótese mitral 63 (12,6%), estenose aórtica 47 (9,4%), insuficiência aórtica 51 (10,2%), dupla lesão aórtica 40 (8%), disfunção de prótese aórtica 27 (5,4%), estenose tricúspide 1 (0,2%), insuficiência tricúspide 1 (0,2%), mitro-aórticas 67 (13,4%), mitro-tricúspide 14 (2,8%), estenose pulmonar 1 (0,2%), endocardite infecciosa 23 (4,6%). 122 (26,8%) foram submetidos a procedimentos cirúrgicos associados revascularização do miocárdio 34 (27,9%), plástica De Vega a 31 (25,4%), comissurotomia ou plástica mitral 23 (18,8%), comissurotomia ou plástica aórtica 11 (9%), correção de cardiopatia congênita 3 (2,5%). A mortalidade hospitalar foi de 40 (9%). No pós-operatório imediato 125 (28%) tiveram complicações: sangramento 36 (29%), baixo débito 21 (17%), arritmia 5 (4%) e outros. 289 (63%) dos sobreviventes foram acompanhados por período de 6 meses a 4 anos (x = 2 a 5 m) 16 (5,4%) foram para retroca valvar, 20 (7,2%) foram a óbito e 248 (86,3%) evoluíram para Classe Funcional I e II e 5 (1,1%) para Classe Funcional III. Dos óbitos relacionados com BPB de alto perfil 8 pacientes apresentaram obstrução da via de saída do ventrículo esquerdo constatado ao exame anátomo-patológico. Conclusão: os resultados da utilização da BPB especialmente de baixo perfil foram bastante satisfatórios.

 

  1. 11th International Congress – Cardiostim 98, realizado em Nice, França, de 17 a 20 de junho de 1998. (Docs. 295 e 308)

Apresentação de Trabalhos

  1. Aortic valvar stenosis and the ergometric test, Amato, M.C.M. (Docs. 295 e 309)

Resumo: Purpose – the importance of the ergometric test as a prediction factor of the asymptomatic patient with aortic valve stenosis. Methods – 70 patients with valvar area £ 1cm2 without any other heart lesion were follow up during 60 months. Mean age was 49.5 years with prevalence of 46% in male subjects. The patients were undergone: 1. to echo-Doppler in order to measure valvar area and transvalvar gradient; 2. to ergometric test which was considered positive by electrocardiographic changes or the interruption due to symptoms such as angina, presyncope, syncope and arrhythmia and 3. to clinical follow-up in order to find the appearance of angina, syncope or sudden death. Data were statistically analized by Kaplan-Meier and Log-rank method. Results – the association of occurring events with the variables studied has shown that: 1. there is no relationship to the sex (p= 0.603) and 2. neither to the transvalvar gradient (p= 0,3172); 3. but there is a statistically significant association to the < and ³ 50 years old (p= 0,0124); 4. to the < and ³ 0.7cm2 valvar area (p= 0,0003) and; 5. positive or negative response from ergometric test (p= 0,0001). Conclusion – 1. the ergometric test is a good prediction factor on the prognostic of asyntomatic patients with aortic stenosis.

 

  1. Echodopplercardiogram in the private health care system in the city of São Paulo, Morillo, M.G.; Ribeiro, I.G.; Lopes Filho, E.M.; Amato, M.C.M. (Docs. 295 e 309)

Resumo: Purpose – to study the Echodopplercardiogram in the Private Health Care System in the city of São Paulo. Methods – during 2 years 4,440 exams were performed. Special attention was given to 85.4% (3,794) of exams due in patients with more than 20 years old. Results – in this sample, 30.48% (995) exams were within normality conditions. Prevalence in women, being 65.9% in the range of 21 to 30 years, 61.5% from 31 to 40 years, 55.96% from 41 to 60 years and 58.4% for the range over 60 years old. The most frequent diseases in subjects above 40 years were aorta ectasis 24% (121), aortic insufficient 19.1% (94), mitral prolapse14.65% (72) and mitral calcification 13.46% (66). Below 60 years, the greatest incidency was of: 1. mitral prolapse 26.14% (698); 2. mitral insufficient 8.27% (221); 3. aortic insufficient 5.91% (158); 4. mitral valve stenosis 3.48% (93); 5. aortic valve stenosis 1.23% (33). Conclusion – there is a significant number of improper exams orders. In the adult age men perform a significantly less number of exams. The outstanding diseases until the age of 60 years are the mitral valve prolapse is the most comon disease in both sexes and in every age ranges until this age, followed by mitral and aortic failure, which have likely rheumatic etiology.